Viver: nossa maior oportunidade

Rua  Augusta, São Paulo, quase 20h. Um monte de gente aglomerada em volta de um carro parado e, ao lado do carro, uma garota caída. Inerte. Parecia ser bem jovem.

Ver aquela cena mexeu bastante comigo , sabe?  Mesmo sabendo que atropelamentos  acontecem todos os dias, sobretudo em uma cidade imensa como São Paulo. Cidade onde a maioria das pessoas (sobre)vive com pressa e estressada.  Cidade onde dá para perceber de forma bem acentuada quanta gente está insatisfeita. E onde a vida parece ser mais breve do que em qualquer outro lugar…

O cotidiano às vezes nos torna cegos para essa brevidade que envolve a nossa existência.  Já repararam como a gente perde um tempo precioso remoendo as nossas frustrações ou reclamando daquilo que, por um motivo qualquer, não deu certo? Ou então julgando as escolhas dos outros pelo fato delas serem diferentes das nossas?

Pode parecer simplista o que vou dizer, mas acho que a gente poderia aprender a enxergar cada dia como uma chance. Chance para errar, para acertar, para começar ou recomeçar.  Viver é uma grande oportunidade que nem sempre valorizamos.  Há tantos caminhos a serem percorridos, tantas ideias ou experiências enriquecedoras para trocar. Por que não começar a exercitar isso desde já?

Não quero me tornar uma escrava dos meus dissabores. Não quero deixar para o futuro as coisas que eu poderia fazer hoje, só porque eu tenho medo de falhar. Quero aproveitar direitinho todas as minhas chances . O mundo pode estar bem ingrato, mas reclamação sem atitude certamente não ajudará em nada para que ele mude.

Não sei se a garota que mencionei no começo do texto sobreviveu. Ou se ela se tornou mais um dígito nas estatísticas paulistanas de mortes no trânsito. Mas eu fiquei imaginando que talvez, ela tivesse muitos sonhos. Ou que ela gostaria de fazer muitas coisas ainda. Pode ser que a última chance dela tenha sido até as 20h de ontem, e nem ela nem ninguém tinha como saber disso…

Sobre Cláudia Gavenas

Paulistana, 26. Designer, gateira, feminista e musical. Meio perdida na vida, mas não tem certeza se realmente quer se encontrar...
Esse post foi publicado em biscatagi séria, memória biscate e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s