Silent Night

Aviso aos Navegantes:a Renata Lins publicou este post (Meus 50 tons de…) que incendiou a imaginação d@s bisc@s deste nosso querido Club. Decidimos, pois, cada um@ tratar do erotismo como lhe apetece. Inclusos @s convidad@s. Tem sido uma quinzena caliente não lhes parece?

#Erotismo em Nós
Silent Night, Valmont

Diz ela, deitada de lado:

– Não gostas de mim a sério.

– Gosto tanto, como podes dizer uma coisa dessas?

– Não gostas, não. Não me tratas mal…

Não era tempo para explicações. Ele puxou-lhe de repente os cabelos com força, esticando a pele do escalpe pela raiz.

Ela, de lado, ficou em C, com um joelho cravado nos rins, de olhos desfocados e os pés presos nos dele. Um alarme, uma dor quase boa.

O dedo duro do homem correu o desfiladeiro das nádegas e foi molhar-se no lago da cona dela, desfeita em água acre. A seguir o dedo retrocedeu até ao olho do cu, fez círculos molhados à volta do poderoso músculo fechado e arrombou-o com força.

– Dói? – “Não” disse ela com vontade de “sim”. E ele foi rompendo caminho até enterrar a falange, todo dentro dela.

Saber respirar: inalar pouco, expelir longamente; tirar partido da dor, aproximar-se dela e torná-la sua. Quando o homem tirou o dedo com vagares de toureiro, ela sentiu um alívio e um vazio, uma ausência forçada, um falta.

Mas isto não vai ficar por aqui.

Ele regressou ao centro húmido da mulher, tão quente, tão à espera que viessem feras saciar-se nele e molhou agora o polegar. O grosso e inquietante polegar, esse pequeno detalhe na fisiologia humana que nos distingue dos animais e nos permite agarrar, manipular, tomar posse do mundo e das coisas que se passeiam nele.

Era então o polegar que ela sentia enfiar-se pelo cu adentro, abrindo um túnel entre os tecidos trémulos, incapazes de festejar o prazer que sentiam que não fosse apertando aquele dedo intruso.

E doía sim, cada vez mais e cada vez melhor.

Com artes de trompetista, hábil em tirar todo o partido do instrumento, o homem enfiou-lhe também o indicador na cona, rodando-o contra as paredes daquela cripta dilatada e nesse rodopio criando um ritmo que ela bem percebeu ter de acompanhar com as ancas. Fazia ainda parte da dança ele apertar os dois dedos, um contra o outro, calcando a película de carne entre o ânus e a vagina, fazendo ambos os canais transbordarem de lava ardente.

Mas não lhe bastava isto e a cantata ficou completa com o anelar dele bem esticado, alcançando-lhe o clitóris. E muito quieto, fez de lua parada no céu enquanto a terra roda, parecendo que é ao contrário.

A ela soube-lhe mal gemer na situação em que se colocou; seria dar parte de fraca na vontade de ficar submetida. Arfou portanto, para mostrar que sofria, como havia pedido.

Estavam nisto quando o comandante lhe ordenou:

– Abre os olhos – e ela só teve tempo de afastar os dentes do caralho que vinha em torpedo contra a sua boca. Num instante ficou sem saber onde pôr a língua e a garganta asfixiada e cheia de homem por todos os orifícios.

Ele começou a foder-lhe a cara, sem movimento mas fazendo da cabeça dela um êmbolo, empurrando e puxando os cabelos, esfregando-lhe o céu da boca e as gengivas contra aquela peça de carne latejante. A única alternativa que a ela restou foi olhar para cima e fazer olhos suplicantes de gato.

Foi então que ele explodiu, liquefez-se. E ela era um fluído contínuo de cima abaixo, boca e cona em sintonia e também rebentou, sentindo os ossos estalar dentro de si. Não engoliu.

E já de joelhos diante do homem prostrado, a mulher depôs-lhe no peito o esperma que recolhera até à derradeira gota. A seguir deitou o rosto naquele charco e de cabelos soltos e molhados, ficou à espera que ele lhe desse alguma ordem.

Outros textos da série #Erotismo Em Nós:

Sobre Beijos e LínguasAugusto Mozine

Façamos, Renata Lima

Trinta Anos Quase, Renata Lins

Orgia com Brando e Schneider, Lis Lemos

O triângulo aponta o caminho, Niara de Oliveira

Erótico Pornográfico, Bete Davis

Águas Feminnias, Sílvia

Espera, Raquel

Inverno, Perséfone

Verdes, Cláudia

Sobre biscatesocialclub

"se acaso me quiseres, sou dessas mulheres que só dizem sim..."
Esse post foi publicado em biscatagi, erotismoemnós, guest post e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Silent Night

  1. Silvia Badim disse:

    U-A-U…..sem mais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s