Meus cinquenta tons de…

Esse é um post-pinceladas. Fiquei com vontade de escrever sobre isso desde que começou o ruído sobre “Cinquenta tons de cinza”. Devo dizer que não li o livro: não li nem vou ler. Mas não foi preconceito não, cheguei a pegá-lo numa livraria, a ler trechos e mais trechos. Não me deu vontade de continuar. E olha que o tema me interessa.

Achei o livro muito sem tons. Muito “pão, pão, queijo, queijo”, sabe como é? Meio manual de motor de carro. Pegou aqui, fez ali, cutucou acolá. Sinto muito. Não acho graça nenhuma.
(Achei muita graça, em compensação, no “Marcelinho lendo 50 tons de cinza”. Mas deixa pra lá).

Outro dia escrevi que não gosto de superlativos: sou mais de eufemismos, desde aquele lindo de “Le Cid” , em que Chimène diz a Don Rodrigue : “je ne te hais point” (eu não te odeio).  Ô declaração de amor bonita, sô.

Então: eufemismos. Vislumbres. Devaneios. Sugestões. Sutilezas. O olhar de Mastroianni para Laura Antonelli em Esposamante. Nastassja Kinski/Tess, sua boca vermelha, a fruta vermelha. Os braços roliços e molhados de Clara lavando roupa, em “As Pupilas do Senhor Reitor (falei desse aqui). O pequeno pé fugidiamente visto na “Pata da Gazela”, de José de Alencar – livro erótico por excelência, como bem lembrou Eliane Brum em tuíte-conversa recente. Imagens, obsessões. Desejo, necessidade. Vontade.

Em francês diz-se “J’ai envie de toi”, e é uma delícia de ouvir. Tenho vontade de você. Te desejo. Como uma fruta. Pra morder. Pra beliscar. Pra pegar.

O conto “Uns braços”, do Machadão. O conto “Dentro da Noite”, de João do Rio. “Dentro da Noite” traz outro elemento que me parece altamente erótico: o desejo que não se controla, o desejo apesar da vontade. O cara tinha tesão de enfiar alfinetes no braço da mulher. Ele não queria, ele não gostava de machucá-la. E no entanto, não conseguia. Era mais forte do que ele. Uma vontade acima da vontade. Desejo. Necessidade.

Uma passada de dedo, de leve, sobre lábios carnudos. Uma mão que distraidamente recolhe mechas soltas para trás da orelha, descobrindo-a.  Umas mãos segurando e acendendo o cigarro. Umas mãos fortes pousadas na mesa, em repouso. Uns pés descalços. Um olhar. Um olhar. Um olhar.

Li quando criança um livro chamado “Le Tambour des Sables” – mulher tuaregue na primeira pessoa. Contava do véu e do cuidado com os olhos. O khôl passado para realçar. Os olhos com os quais se encanta e seduz em terras de véus. Olhares.

O desejo apesar de, ainda. Para além dos próprios tabus, para além dos próprios preconceitos. Filmes: “The Crying Game”. “Lua de Fel“. “Damage“. Tem todos os de padres, de freiras. Desejo versus tabu. O que eu me lembro de gostar mais é “Camila“.

Os estranhos desejos de tempos de guerra, onde mulheres ficavam sós para tocar a vida cotidiana, homens dormiam e acordavam com outros homens. Um dos meus livros favoritos, aqui, é “Amor de Inverno”, de Han Suyin. Delícia de história entre mulheres, em tempos de guerra. Orelha pequena, brinquinhos. Longos cabelos. Encantamento. Tempos de exceção. E o depois.

Erótico é assim pra mim. O não-dito. O imaginado. O sonhado. Voz, também. Voz rouca. Voz grave. Voz. Um jeito de falar pausado. Um sorriso entremeando as palavras. Sorriso de canto. Ou os mais sombrios, os mais calados. Os silêncios. Os respiros. Os suspiros contidos. Ai.

Eróticos são os véus, são os caminhos das sombras, são os movimentos das mãos. Texturas, sabores. Toques de leve, muito de leve. Deslizando os dedos. Arrepios. Frissons. Frio na boca do estômago. Fome. Desejo Necessidade. Vontade. Vazio.

Sobre Renata Lins

Forasteira. Gosto dessa, com seus subtons de filme de caubói. Forasteira, olhando sempre pro mundo de viés. Tímida e espalhafatosa, apesar de não ser o Caetano. Mulher - e cada vez mais.
Esse post foi publicado em desejos de biscate, erotismoemnós, uma biscate quer e marcado . Guardar link permanente.

24 respostas para Meus cinquenta tons de…

  1. renatalima91 disse:

    Eu gosto do erotismo implicito, sutil, delicado.
    Uma das mais eróticas cenas do cinema, pra mim, é o Daniel Day Lewis abrindo um dos botões da luva da Michele Pfeifer, e beijando o pulso dela, em A Época da Inocência. Só o pulso.
    O meu pulso disparou só de lembrar.
    E falando em pulso, lembrei também do Johnny Deep, beijando entre os dedos de uma
    personagem, em Don Juan de Marco.
    Nossa.
    Se bem que essa cena, bem, não é sutil.
    Mas eu também não sou sutil.
    Nada sutil.
    Dedos como pernas, as pontas dos dedos são os pés… e ele beija…
    (estou sensível, li um texto foda do Alex Castro mais cedo e fiquei, digamos, hum…)
    aqui o link da cena da mão: http://www.youtube.com/watch?v=2P_mKAgdeUs
    Ai, aos 5:22 minutos do vídeo… aaaaaiiiiii.
    (achei o vídeo com algumas cenas… a cena da luva está aos 1:05 minutos do vídeo

  2. renatalima91 disse:

    Ah, eu comecei a ler a amostra do “Cinquenta tons de cinza”.
    E fiquei com preguiça.
    Como eu disse para a Vivi, pelo que saquei, qualquer “clássicos históricos” ganha, hahahah

    • Renata Lins (@repimlins) disse:

      Sobre esse, botei um comentário no facebook: tinha uma versão desses “Sabrina” supostamente mais picante, chamada “Momentos Íntimos”. Me lembrou muito. E eu, depois de ler uns dois “Momentos Íntimos”, cheguei à conclusão que, claro, os “Sabrina” originais são muito melhores. Não gosto de manual de motor de carro…

  3. Fal Azevedo disse:

    Rê, coloquei um comentário aqui de 4 parágrafos, enorme, cheio de opiniões tortas, conceitos equivocados e chatices mis e fiz alguma bobagem e o sistema comeu. Caraio. No mau sentido. De modos que deixo só um beijos entonces, leamo, adoro te ler.

    • Renata Lins (@repimlins) disse:

      Ô, dó… que droga, Falzita! Ia tanto querer ler todos os seus parágrafos… que, olha, tu entende disso paca que eu sei… ;) Beijo muito grande, inda vou ver se dou um jeito de tu me contar o que tinha escrito aqui, senão morro de curiosidade.

  4. Rita disse:

    Só li este post agora porque sou a pessoa mais atrasada da internet. E, né, sou desse time aí. E eu li uns tantos Momentos Íntimos, hahaha. Mundo bom, esse. :-)

    • Renata Lins (@repimlins) disse:

      pois, Rita. Eu fui lá ler animada. Mas nem gostei, como digo acima… sou das entrelinhas. Esses muito assim, assado me lembram o “Marcelinho” que linkei no post. Acho engraçado, engraçado do tipo não-sexy. Preferia os Sabrinas normais… a Fal outro dia me contava das agruras de traduzir os livros da série Harlequin… hahaha… ri muito com essas….

  5. Pingback: Espera |

  6. Tina Lopes disse:

    E o membro intumescido, gente, que eu achava que era um braço inchado? “ué, mas ele se machucou quando?” hahahaahahah (adorei o texto, desculpa zoar)

  7. Pingback: Águas femininas |

  8. mclarags disse:

    adorei o texto Renata!!! não conhecia todos as suas referências mas acho uma oportunidade otima de conhecê-las!! só sabrina que sempre adorei ler! hahaahaha mas entendo perfeitamente esse eufemismo todos.. e os olhares, ahhh os olhares…

  9. Pingback: O triângulo aponta o caminho |

  10. Pingback: Sobre Beijos e Línguas |

  11. O livro peca sim em não deixar espaço suficiente à imaginação do leitor. Seria excelente haver a curiosidade, mas ele não deixa.

  12. Pingback: Trinta anos quase | Biscate Social Club

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s