O sangue da maçã

Violações

Ele era bonito, era jovem. Era alto. Era astrólogo.

A gente se encontrou num congresso de ioga. Eu tinha quinze anos e muito frio de gente. Estávamos num camping, os deserdados do congresso. Felizes. Participamos, com um povo grande, da produção de um tabule – comida coletiva com ar de propaganda de Marlboro, daquelas em que o pessoal se reunia na beira de uma fogueira, com um violão, à noitinha.
Voltamos do congresso no mesmo ônibus, ele com a namorada, eu calada, olhando e achando-o bonito.

Nos encontramos depois num aniversário. Pouco cheguei a conversar com ele. Estava no meio de uma frase qualquer – possivelmente sobre Isadora Duncan – quando ele engoliu as palavras e minha boca, assustadoramente. Como era de hábito, aceitei sem entender. Ele me beijou a noite toda e no fim da festa me raptou para um quarto. Sem roupa, na penumbra, tentei buscar motivos aceitáveis para não trepar com ele. Nós dois nus e eu gelada de medo. Eu era virgem e não ia dizê-lo. Não ficava bem. Calculei freneticamente uma data de menstruação que impedia grandes avanços, naquele tempo pré-camisinha.

Não me lembro como adormeci.

Foi longa e sofrida a noite.

Ele era bonito. Era jovem. Era astrólogo.

A outra foi em casa. Mas foi bem menos sombria. O cenário era um assalto: em dado momento, o sujeito me puxou prum quarto e me mandou – com ajuda do revólver, bem entendido – baixar a calça. Inventei uma desculpa venérea. Não sei se colou, mas ele topou levar só uma chupada. Ajoelhei, cumpri a tarefa conscienciosamente e engoli, no final. Não ficava bem.

E no entanto, ali, tudo estava em ordem. O revólver deixava tudo claro. Eu mantinha minha integridade. Foi quase um favor que prestei, afinal a vida do cara era aquilo ali. Estava na ordem das coisas. Era um assalto. Eu tinha que obedecer.

E ele tinha uma juventude usada.

Não era bonito. Não era alto. Não era astrólogo.

.

* O texto relata histórias reais e por isso a autoria será mantida em sigilo.

Sobre biscatesocialclub

"se acaso me quiseres, sou dessas mulheres que só dizem sim..."
Esse post foi publicado em biscatagi séria, biscate convidada, guest post, memória biscate e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para O sangue da maçã

  1. Monica Younes disse:

    Linda é a rudeza do penar quando a serviço do sentido da vida… de todos!

  2. atorresmkt disse:

    Astrólogo ou não, bonito ou não -> o homem, esse animal que os demais não conseguem compreender. E tem como? =/

  3. Deh disse:

    Nossa…forte
    Lembrei de mim

  4. Ju Minelli disse:

    Forte, sensível e intenso. As vezes a realidade dos acontecimentos passados também bate a minha porta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s