Sem Medo de Ser Nina Simone

Por Amanda Vieira*

Aviso: esse texto é pra ser lido ouvindo Nina Simone – veja as sugestões de trilha sonora ao longo do texto

Ouvir Nina é como se transportar para um lugar onde qualquer um pode dançar. Ela te pega pela mão, te joga para o alto. Roda com você até você flutuar, criar asas, sair do fundo do poço. Nem que seja por alguns minutos ela leva você pra um lugar que você nem sabia que existia – e que estranhamente você reconhece como se fosse sua casa, sua festa, seu mundo. Ela não fala português, ela canta em inglês – língua que eu pouco ou nada conheço. Mas a música dela diz tantas coisas que é muito fácil dançar com ela, se encantar, se entender com toda a arte dela.

My Baby Just Cares For Me

Difícil é falar sobre Nina Simone com toda a graça, a profundidade e a leveza que ela desperta. Nina nasceu Eunice Kathleen Waymon, nos Estados Unidos em 1933. Sua infância foi humilde: nasceu numa família simples, filha de uma empregada doméstica e de um mestre de obras. Desde muito cedo já tocava piano e cantava ao lado das irmãs no coro da Igreja Metodista dirigida pela mãe. Ainda menina viveu na pele a situação ambígua de ser aplaudida e sofrer preconceito ao mesmo tempo.

Ter talento ajudou Eunice a conseguir uma vaga na prestigiada Escola de Música de Julliard, em Nova York, onde estudou piano. Mas talento e estudos não eram suficientes para que uma mulher negra pudesse brilhar numa sociedade racista como a norte americana das décadas de 1940 e 1950. Era preciso muita rebeldia. Para driblar as adversidades, Eunice adotou o nome artístico Nina Simone aos 20 anos. Assim, ela podia cantar Blues, conhecida como “música do diabo”, nos cabarés de Nova Iorque, Filadélfia e Atlantic City, escondida de seus pais, pastores metodistas. Ser mulher negra e viver de música num país como os Estados Unidos da década de 1950 era um desafio enorme. Há registros de que ela sofreu violência doméstica: teria sido espancada marido. Nina Simone teve que dançar muito pra encontrar seu sol: abraçou publicamente todo tipo de combate ao racismo em seu país.

Here Comes The Sun

O fato é que ela lutou não só por um lugar pra ela, mas por toda uma geração de mulheres negras. Dizem que ela rejeitava o rótulo de “musa do jazz”. Ela poderia dizer que este é o título que todo branco concede, piedosamente, aos cantores negros. Nina Simone cantava jazz muito bem, obrigada, mas não se restringiu a isso: gravou canções de protesto como “Four Women”, pelos direitos femininos e “Young, gifted and Black”, canção inspirada no Movimento Panteras Negras (do qual era militante). Cantou no enterro de Martin Luther King. Cantou a música “Mississippi Goddamn” que fala sobre o assassinato de quatro crianças negras numa igreja de Birmingham em 1963, e que se tornou um hino ativista da causa negra. Gravou também músicas populares como “Here Comes the Sun”, dos Beatles; “My Sweet Lord”, de George Harrison, e até música “Pronta pra cantar (ready to sing)” com Maria Bethania.

Nina Simone morreu na França aos 70 anos, em 2003. Deixou uma filha, Lisa Simone. Não vou dizer que Nina vive para sempre nos corações dos fãs porque ela não queria ser vista como musa ou deusa intocável. Gosto de lembrar simplesmente que Nina Simone viveu e viveu muito bem, sem medo de abraçar as causas nas quais ela acreditava. Não se limitou aos padrões impostos, não se comportou como artista decorativa. Preocupou-se em viver, mesmo sem a aprovação da sociedade. Sem medo de ser Nina Simone!

Ain’t Got No…I’ve Got Life

.

* Amanda Vieira é jornalista, paulista dando o ar de sua graça e profissionalismo em Brasília, mãe da fofa Sofia, feminista, de esquerda, ativista das lutas essenciais e justas e uma das pessoas lindas desse mundo que ajudam a mantê-lo habitável, “fazendo castelos de areia e soprando as brincadeiras dos outros”. Dá uma espiadinha no seu blog e a acompanhe no tuíter em @amanditas1904.

Sobre biscatesocialclub

"se acaso me quiseres, sou dessas mulheres que só dizem sim..."
Esse post foi publicado em biscatagi é cultura, biscatagi especial e marcado , , , . Guardar link permanente.

8 respostas para Sem Medo de Ser Nina Simone

  1. Bíh D'lima disse:

    Nina Divina!

  2. renatalima91 disse:

    Descobri Nina no filme Nikita, o original, francês.
    Mas na época, não tinha pra baixar, e nem achei pra comprar…
    Depois, na sequência de “Antes de amanhecer”, com Ethan Hawke, a atriz, a francesinha, esqueci o nome dela, imita Nina Simone, pra ele, e eu corri pra baixar.
    Tenho a discografia toda e ela é fantástica!
    Linda lembrança!!!

  3. Charô disse:

    Ai, que digo eu sobre os textos da Amanda? Ainda mais falando sobre Nina Simone, minha musa das musas, mesmo que não quisesse. Simplesmente não tinha como. Foi uma das mulheres mais interessantes dos século XX. Muito mais que Elizabeh Taylor, eu acho. Ela teria sido a Cleopatra perfeita.

    Existe um documentário sobre seus últimos dias, agora não lembro o nome, que mostra em seus primeiros minutos Nina Simone chorando. Ela relembrando sua juventude, seus acertos e tropeços. Mas assim, uma coisa que não sei explicar. Aliás Dr. Simone não se explica né, por isso esse texto tá tão gostoso.

    Seja super benvinda Amanda. Um viva!

  4. Muito amor por Nina ❤

    Na semana que conheci suas músicas, tinha assistido um filme sobre um compositor, e havia uma espécie de bar gay da época, e aquela negra maravilhosa e de voz magnífica cantava. Daí um amigo me apresentou e no mesmo dia eu baixei a discografia.<3

  5. Verônica disse:

    Maravilhosa, eterna!

    Adorei o texto 🙂

  6. Jaci disse:

    Nina Simone é Maravilhosa!!
    Neste site http://www.ninasimone.com/ dá para ouvir sua música .
    Quando me sinto triste, ouço: I wish I knew how it would feel to be free
    Quando feliz: Feeling Good

  7. Amanda disse:

    E aí gente boa! Muito agradecida pelos comentários. Eu amo a Nina Simone, sei que o meu texto ficou até pequenininho diante das coisas boas que ela me inspira. Que bom que vocês gostaram. Adorei as dicas que vocês postaram aqui. Valeu! Beijos

  8. Ian Murray disse:

    parabéns pelo post essencial.
    vou deixar aqui o link de um dos vídeos mais fortes dela…

    Essa apresentação dela em Montreux é uma aula de nina…
    Tão de verdade… 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s