Fácil

               “Mulher é a vida, a vida é mulher, toda mulher é mulher da vida”

A gente aprende a rir baixinho, desviar os olhos, sentar de pernas juntas. A gente aprende a chegar tarde, sair cedo e não dar vexame. Aprende a ter vergonha. E, ainda mais, a ter vergonha até pelos outros. Vergonha alheia, dizem e assentimos, certinhas. Aprendemos que o ridículo nos desmerece, que a opinião do outro vale mais que prazer momentâneo, que o certo vem antes do bom. Aprendemos que ser difícil nos faz diferenciadas e desejáveis e que é melhor esperar a pessoa certa, a hora certa, o lugar certo. Que nunca parecem ser quando queremos, onde queremos e quando queremos.

Pois eu não. Sou fácil. Riso fácil. Olho no olho. Pernas que abrem e fecham em passos largos em direção ao meu desejo. Chego cedo, chego antes, quero muito. Saio quando me apraz. Sou responsável pelo que faço e não uso régua alheia pra saber o que me cabe. Sou ridícula, uso estampa, chapéu, laço. Cada dia mais livre, cada dia mais fácil, cada dia mais eu: mais menina, mais ingênua, mais sabida, mais mulher da vida, de toda patente, mais suburbana, mais confiante, mais atriz, mais atrevida, mais parada-pregada-na-pedra-do-porto, mais gata, mais alegre, mais atenta, mais sirena, mais morena com olhos d’água, mais mais mais. Mais bandoleira.

Gosto de me dizer mulher da vida. Porque a vida é entrega, encontros, alegrias, esforço, sonho, trabalho, família, amores. Sou mulher da rua, de bater perna, de ver a lua se fazer sol, de dobrar esquinas em boa companhia, de andar calçadas no rumo da alegria. Mulher perdida, sou eu, minha bússola está no oco do peito.

Meu vestido decotado não cheira a guardado. Simples. Quando, onde, como, nunca deixam a ponta da minha língua. Sou dos encontros, das luas brincando de encher, dos cheiros de chuva e panela no fogo. Não sou das que riem de si mesmas, sou das que gargalham de si mesmas. Eu já não tenho pejo de listar meus encantos como não me aborrece o elenco de defeitos. Fácil. E feliz.

Parte 2

Daí fui dar uma volta na net e achei este instrutivo post (#not). Resumindo, as características da mulher fácil:

1. Dizem sim a tudo… tudo que querem, eu completo.

2. Usam roupas muito sexy...avaliação de quem confere á consequência uma particularidade da causa. As roupas ficam sexys, porque nós somos sexys, até de macacão de bombeiro.

3. Tomam atitudes mais ousadas.. mais ousadas do que as de quem, cara pálida? Do que as que não tomam atitude nenhuma fora do script do que é permitido pras mulheres?

4. Falam alto para chamar a atenção a todo o custo e riem exageradamente…rimos alto, bebemos e falamos palavrão. Ofende? O problema está em quem dá o sentido de chamar atenção, né? Rimos e falamos alto porque somos exuberantemente intensas.

5. Tomam iniciativa exagerada: porque é falha grave saber o que quer e agir pra conseguir, né?

6. E o melhor item de todos: “Deixam que as evidências entregam: Sem dúvida existem coisas concretas que elas podem fazer que serão consideradas atitudes de mulheres fáceis. Quando te chamam muito, te oferecem uma bebida na balada sem te conhecer ou quando te pedem o telefone antes que você pense em dar são fatos marcantes”. Eu tive um pouco de dificuldade de decifrar esta pérola da lógica: “deixam que as evidências entregam”. Ainda estou na batalha, ser fácil não me fez advinha, né. Mas o resto é tão primoroso quanto: as atitudes de mulher fácil são, ulalá, ser alvo, ora vejam: se eles me oferecem bebida, se me chamam (pra dançar?), se pedem meu telefone – ou seja, tudo atitude deles – eu é que sou fácil.

E não é sintomático que em todo o universo youtubético, só se ache uma única versão da canção que afirma que toda mulher é mulher da vida? 

Sobre Borboletas nos Olhos

É melhor morrer de vodka do que morrer de tédio, disse Maiakovski. Brindo a isso enquanto acontecem-me coisas surreais. Segue o meu perfil quando me vejo assim: cara a cara comigo mesmo. Ou seja, meio de lado. Um mosaico com rachaduras evidentes. Nostálgica, mas disfarço com o riso fácil. Leio de tudo e com desespero. Escrevo sem vírgulas, pontos ou educação. Dou um boi pra não entrar em uma briga, o resto já se sabe. Considero importantíssimo saber rir de mim mesma. Nem que seja pra me juntar ao grupo. Certa da solidão, fui me acostumando a ser boa companhia. Às vezes faço de conta que sou completa, geralmente com uma taça na mão. Bebo cerveja, bebo vinho e, depois das músicas italianas, bebo sonhos. Holanda, por parte de mãe e de Chico. John Wayne, por parte de pai. Borboleta e Graúna por escolha e história. Tenho uma sacola de viagem permanente no meu juízo e a alma, de tão cigana, não para em palavra nenhuma. Gostaria de escolher meus defeitos, mas não dando certo isso, continuo teimosa. Não sei usar a nova regra ortográfica. Nem a velha, talvez. Amo desvairadamente. E tento comer devagar. Sei lá, pra compensar, talvez. Tem gente que tem a cabeça no mundo da lua. Eu não. Quando vou lá, vou toda. Sou questionadora, mas aceito qualquer resposta. Aspecto físico? Língua afiada e olhos cor de saudade. Gosto de fazer o que eu gosto. No mais, preguiçosa. Sabia o que é culpa, mas esqueci. Nada mais a dizer, prefiro andar de mãos dadas. E dormir acompanhada. Mas, bom, bom mesmo é sal, se você já leu Verissimo.
Esse post foi publicado em biscatagi, memória biscate e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

15 respostas para Fácil

  1. Vanessa Prates disse:

    O bom é colocar o play na música e se deliciar com a leitura…

    Nem preciso dizer que seu texto é perfeito, né, Dama?

  2. Amigo seu disse:

    O problema não é ser uma flor..
    “Todas as flores estão ao vento mas, apenas colhemos as que se fazem especiais.”

    • Luciana disse:

      Amigo, fiquei com a impressão que você não entendeu nada. Não estou aqui pra ser colhida. Nem mesmo pra ser es-colhida. Estou aqui pra viver e gozar a minha vida, quando, como e com quem eu quiser.

      Sabe, vou te dar uma dica: em uma relação realmente boa, os dois envolvidos são ativamente responsáveis pelo processo. Se você ainda acha que precisa ser o único a decidir, creia-me, uma biscate não se interessará por você.

      beijo

  3. Sensacional! Muito bom mesmo!😉
    A mulher ideal não tem que ser propriedade de ninguém, nem se vestir e se portar como alguém quer.

    Parabéns pelo post!

  4. bucadantas disse:

    APOIADA!!! clap clap clap….muito beeeeem!!! dô valor a mulher assiiiiiim!!! :))

  5. stella disse:

    oi, gostei muito do blog e de todos os posts! peço licença pra deixar um post que escrevi no meu blog, na época em que algumas reuniões de biscates que não compram a máxima de que ‘o estupro é culpa da vítima’ fervilhavam no campus daonde eu estudo…: http://divagar-esempre.blogspot.com/2011/03/not-supposed-to-hit.html

  6. Vinicius disse:

    Ou seja, pelo texto linkado, toda e qualquer ação ativa é um ponto negativo da carteirinha de pontos da moça recatada. Pois é, parece que cada ponto negativo se traduz, sim, num ponto positivo do próprio sujeito.

    “Meu vestido decotado não cheira a guardado” Putaqueopariu, como eu gostei de ler essa citação, velho!

    • Luciana disse:

      Vinicius, que bom que você chegou! Eu dei muita gaitada lendo o link, mas depois me deu uma ressaca ao lembrar que há gente que faz esta contabilidade que você apontou. Anyway, que bom que gostou da citação, Chico é-me especialmente caro.

  7. Pingback: Sexta-Feira 13, dia oficial da Biscate |

  8. Pingback: Quiz Biscate |

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s