Uma Biscate Qualquer

Ela trepa. Ou não. Só se quiser, mas não sempre que quer, infelizmente. Uma biscate canta alto, lavando a louça, e baixinho, lavando a alma. Porque uma biscate faz essas coisas de quem vive: limpa a casa, cozinha e, vez ou outra, sente o oco no peito e lembra de chorar. Uma biscate trabalha até tarde, bebe com os amigos, resmunga no cinema. Biscate toma banhos demorados e faz caretas pro espelho. Uma biscate esquece futuros e vive as alegrias que se apresentam. Mas, vez ou outra, sonha dormir de conchinha.  Acorda meio melancólica, mas ri de si mesma e se sabe ótima companhia. Uma biscate paquera no metrô, só pra não esquecer como é. E dança a noite toda na balada de olhos fechados, sentindo a música brincar nas esquinas do corpo. Biscate tem filho e se preocupa com as notas do fim de ano. E viaja sozinha e não liga pra casa nem pra dar bom dia. Biscate passa a noite acordada, consolando a amiga no telefone. Aí, de manhã, faz maquiagem realçando as olheiras e se diverte com as teorias orgiásticas que explicam o rosto amassado. Biscate diz sim. E não. Diz quando, encolhida na cama. Biscate tem cerveja na geladeira e biscoitinhos recheados na gaveta perto da cama. Biscate gosta de massagem no pé, banho de mar e poesia ao pé do ouvido. Biscate curte palavras de ordem, movimento na rua e de uma série de revoluções por minuto. Uma biscate namora. E não. Sai sozinha, pede chopp e torce em uma partida de rúgbi. Biscate paga suas contas, paga mico, pede passagem. Biscate samba sozinha, na rua e na lua. Biscate é em fragmentos e se faz na beleza de se saber senhora desses pedacinhos todos que, juntos, soletra assim: eu.

Sobre Borboletas nos Olhos

É melhor morrer de vodka do que morrer de tédio, disse Maiakovski. Brindo a isso enquanto acontecem-me coisas surreais. Segue o meu perfil quando me vejo assim: cara a cara comigo mesmo. Ou seja, meio de lado. Um mosaico com rachaduras evidentes. Nostálgica, mas disfarço com o riso fácil. Leio de tudo e com desespero. Escrevo sem vírgulas, pontos ou educação. Dou um boi pra não entrar em uma briga, o resto já se sabe. Considero importantíssimo saber rir de mim mesma. Nem que seja pra me juntar ao grupo. Certa da solidão, fui me acostumando a ser boa companhia. Às vezes faço de conta que sou completa, geralmente com uma taça na mão. Bebo cerveja, bebo vinho e, depois das músicas italianas, bebo sonhos. Holanda, por parte de mãe e de Chico. John Wayne, por parte de pai. Borboleta e Graúna por escolha e história. Tenho uma sacola de viagem permanente no meu juízo e a alma, de tão cigana, não para em palavra nenhuma. Gostaria de escolher meus defeitos, mas não dando certo isso, continuo teimosa. Não sei usar a nova regra ortográfica. Nem a velha, talvez. Amo desvairadamente. E tento comer devagar. Sei lá, pra compensar, talvez. Tem gente que tem a cabeça no mundo da lua. Eu não. Quando vou lá, vou toda. Sou questionadora, mas aceito qualquer resposta. Aspecto físico? Língua afiada e olhos cor de saudade. Gosto de fazer o que eu gosto. No mais, preguiçosa. Sabia o que é culpa, mas esqueci. Nada mais a dizer, prefiro andar de mãos dadas. E dormir acompanhada. Mas, bom, bom mesmo é sal, se você já leu Verissimo.
Esse post foi publicado em biscatagi e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

59 respostas para Uma Biscate Qualquer

  1. suzana disse:

    Muitoooooooo Lindo Luciana!!!!

  2. Beto Mafra disse:

    Antropofagia da melhor qualidade.
    Nos resta a nós homens, que cunhamos o termo machista, aprendermos a lidar com a realidade de sujeitos autônomos onde havia objetos de desfrute.
    Bem vindas, biscates.
    À partir de não sei quando, no tempo que chegarmos à mesma “altura”, sermos parceiros de verdade com foco nas mesmas lutas, um ao lado do outro. Sem disputas inúteis.
    Enfrentando juntos prazeres e frustrações.

    • borboletasnosolhos disse:

      Juntos é sempre palavra que agrada. Um prazer (ops) ler seu comentário…

      • Beto Mafra disse:

        Nós todos, machistas por atavismo, temos um estranho prazer com o convite para nos juntarmos.
        Precisamos é parar de impor ao outro os termos de “ajuntamento” pelos critérios sexistas.
        Eu topo só ser e juntar.
        O resto a natureza resolve.

        • rhodes disse:

          esta mulher assusta e se assusta
          percebe que o mundo está em si
          e vive a liberdade de simplesmente ser
          ausente quaisquer dependências emocionais ou materiais
          descobre que a melhor coisa da vida
          é essa leveza de poder e querer
          por sua única e própria escolha
          assume as consequências e interpéres
          com um belo salto alto e garras feitas
          possivelmente também com algumas orgulhosas olheiras
          por ser uma biscate qualquer

  3. Priscila disse:

    Lindo texto, muito bem articuladoo…biscate, nada mais do que uma mulher que acima de tudo respeita seus desejos, seu corpo, sentimentos e próximo!

  4. Que blog lindo! Adorei o texto e as imagens!

    Beijos,

  5. Valdeci disse:

    achei o texto muito lúcido e provocante.

    parabéns!

  6. Clara disse:

    “Prazer”, sou mais biscate ou outro nome qualquer que queiram me dar. Texto lúcido e intenso, Lú. Não poderia esperar outra coisa, vindo de vc! Já estou aqui “prá sempre”…

    • borboletasnosolhos disse:

      Clara, cadê teu comentário tão intenso e verdadeiro sobre maravilhosa X biscate? vamos colocar aqui feito post?

  7. Sérgio Siebra de Morais disse:

    É: a mulher livre, enfim todo o universo. Gostei do texto, da trama, das articulações.

  8. Gisele disse:

    Pelo jeito, o Clube das Biscates aceita mulheres prá lá da meia idade, não é mesmo? Então, vai o toque. Comprei um livro sugestivo, da Mari Campos: chama-se “Sozinha Mundo Afora”. Não li ainda, mas deve ser legal, porque foi indicado por um site muito bom para qualquer tipo de pessoa: http://www.viagenaviagem.com.br, de um jornalista especializado em viagens, Ricardo Freire. Perfeito! Grande abraço! Gisele

  9. Maria Eduarda disse:

    Que texto perfeito!
    Parabéns.

  10. Renata Lins disse:

    Adorei, Lulu. Bjs!

  11. Glaucia disse:

    Amei o texto…me identifiquei completamente,mas alguém chamou minha atenção Beto Mafra. Gostaria de conhecer vc pessoalmente! Quero saber se não é mais um carinha querendo impressionar as mulheres com “falácias” achado erroneamente que nos engana!

  12. Maravilhoso e divertido texto. Amei a nomenclatura…bem apropriada ararraa..

    Abraço

  13. Albert disse:

    uau, parabéns. sem mais.

  14. Renata disse:

    socioanálise coletiva.bom demais!

  15. cintia disse:

    achei o texto fantástico ! retrata a realidade feminina.

  16. cintia teixeira disse:

    achei o texto fantástico ! retrata a realidade feminina exatamente como ela é.

  17. Neusa Bolorino disse:

    Nossa……
    Eu quase fiquei sem palvras diante de um texto que traduz uma mulher bem resolvida e real.
    Relata o ser de uma mulher traduzindo a ansiedade de todas.
    Parabéns!!!!!!

  18. Edilson Timóteo disse:

    que belezinha… rss

  19. caio disse:

    Parabéns pelo texto, muito bom.

  20. Débora disse:

    Gostei do texto, mas achei o termo derrogativo. Biscate significa trabalho sem valor, mulher de vida fácil, o que não é exatamente o caso de uma mulher que tem casa, trabalho, paga as contas e se preocupa com as notas dos filhos.

  21. Débora disse:

    Perdão, eu quis dizer derrogatório.

  22. Luciana disse:

    Débora, não sei se você leu todos os posts, então vou responder como se não tivesse visto, tá? A moral prevalente tenta nos fazer crer que devemos enquadrar as mulheres em duas categorias: biscate X mulher séria (o post inicial tem um combo foto+frase bem elucidativo). O mote desse blog é justamente discutir as entrelinhas dessa distinção. É apontar que somos, cada uma, únicas, não classificáveis, podemos nos divertir, ter prazer, sermos responsáveis pela nossa própria história. Especialmente queremos indicar que o nosso valor não pode nem deve ser proveniente de uma análise externa que analisa nosso comportamento sob uma lógica cruel e repressiva. Poder brincar com o termo biscate, autorizar nosso desejo, abrir mão da busca constante de aprovação externa não nos impede de viver os dias e ter as preocupações usuais, apenas faz com que lidemos com elas de uma forma mais livre e gostosa.

    • Débora disse:

      Luciana: ainda acho que, pela forma cordial e sensata com a qual você respondeu ao meu comentário, você está mais para uma dama do que uma biscate! Não sei, para mim o termo ainda soa derrogatório, mas acho válida a forma como você o associa a algo positivo. :-)

      • Não só a Lu, Débora, todas nós associamos o termo biscate a algo positivo. Estamos virando esse jogo. Estamos cansadas de termos nosso comportamento e vida regrado e classificado pelo machismo da sociedade. Estamos assumindo que somos biscates e isso é bom. E este é o nosso clube. Fique conosco, em breve perceberás que tanto faz sermos damas ou biscates, o mundo nos julgará do mesmo jeito e pelos mesmos motivos. ;-)

  23. Joelma Antunes disse:

    Ótimo texto, eu me vi em todos os trechos. Amei….. sou bem desse modelinho!

  24. Reciclável. disse:

    Maravilhoso, me vi nesse texto. Parabéns! :)

  25. Fernanda Cristina disse:

    Muito bom. :)

  26. Vanessa Ferreira disse:

    Que texto lindo, parabéns! Me arrepiei!
    É tão gostoso quando a gente lê algo e se identifica, né? Uma delícia!
    Estou adorando o Blog e os textos. Vocês estão de parabéns!

  27. Pingback: Sexta-Feira 13, dia oficial da Biscate |

  28. Pingback: Quiz Biscate |

  29. Pingback: Buraco da Fechadura |

  30. Pingback: Cara de Biscate |

  31. Mayara Custódio disse:

    Amei (MUITO) o texto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s